Muito mais, sempre!

Olá pessoas!

Bandite
Estréia na Stadt Bier

Depois de algum tempo ausente por motivos de força maior e praticamente nenhuma lucidez a que estive submetido, nada mais justo do que retomar os escritos aqui com boas notícias. Quer dizer, nem tudo são boas notícias, mas também fazem parte da nova fase que estou experimentando.

Depois de amargar a derrota numa disputa mortal entre amor e loucura (leiam isso aqui), passei a dedicar-me ao novo projeto musical no formato “power trio”. Na verdade o projeto já é antigo, mas por algumas questões de ordem emocional/contratual, sofreu algumas modificações que vão indo muito bem, obrigado!

O projeto tem por objetivo dar uma roupagem diferente pra músicas consagradas das décadas de 60 em diante. Claro que esbarrando na minha limitação como músico apenas nas horas vagas. E fique bem claro que tem sido poucas mesmo. Contudo e felizmente essa limitação não tem causado a insatisfação de quem nos tem ouvido. Pelo contrário.

O repertório vem sendo trabalhado com o intuito de surpreender quem estiver ouvindo pela inusitada variedade de grupos homenageados em nossa proposta. Estamos nos dedicando com afinco pra poder proporcionar momentos muito bacanas pra todos que se dispuserem a nos ouvir.

Bandite é Neilton Sérgio (baixo, voz, violão), Michael Lourant (voz, violão, guitarra) e Valério Ribeiro (bateria e percussão).

Dando seguimento às novidades, vai indo de vento em popa a investida como músico solo também. Por enquanto com palco cativo apenas na Champanharia Latitude 15° (404 sul), mas já me preparando para buscar mais alguns palcos, seja no formato solo, duo ou com a Bandite!

Enquanto isso, na Sala de Justiça…”

E na atuação como profissional de TI, estamos aqui eu e os colegas na expectativa da instalação de um pelourinho no saguão da empresa como instrumento de incentivo para o projeto de um certo ministério. Muitos pontos de função para executar em tempo recorde. Eu digo tempo recorde, mas o cenário é bem mais improvável do que bater um recorde e figurar no Guinness Book.

Também faz parte do processo de amadurecimento como profissional participar de desafios que os diretores, gerentes e área comercial nos submetem. Serve-me de consolo gostar disso tudo. Adicionalmente, resiste firme a intenção de voltar a estudar para enfim concluir o curso superior em TI que tem pago tão melhor que o canudo de Licenciado em Letras – Língua Portuguesa e Respectiva Literatura, uma vez que concurso público ainda não é uma opção entre as 5 mais.

Ê, lá em casa…

E como pai (saibam: são duas bênçãos) um misto de regozijo e aflição. É duro ver se concretizarem os esbravejos (leia-se pragas) de minha mãe. A danada devia mesmo estar fula da vida quando profetizou (cruz-credo) que eu teria filhos um dia e passaria pelo que ela passara.

Tentei nas últimas semanas lembrar que tamanhas monstruosidades juvenis eu cometi para merecer o que tenho passado. Juro que fiz um esforço escomunal e não cheguei ainda a nenhuma conclusão que justifique os desmandos do filho de 14 anos. Só consegui, diante de todos os fatos, decidir que não vou resolver na base da chibata ou da maior patente (como dizia minha mãe que se intitulava O General da família). Que Deus me proteja!

Mas como nem tudo são cactus, a pequena vai crescendo e se desenvolvendo incrivelmente rápido… disse ela, rompendo o silêncio do carro: “Eu te amo, papai!“)

Por hora é isso. Queiram discorrer seus comentários a respeito, se assim o quiserem.

Publicado por

Michael Lourant

Pai, profissional de TI, estudante universitário, curioso inveterado e músico nas poucas horas vagas.

Que tal um comentário seu?

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.