Direito ou Educação (pela Esquerda)

Here comes the TEXTÃO! (Postagem no Facebook)

Quando estava no ensino médio era comum ver entre os colegas fazerem planos a respeito do curso que fariam na faculdade. Mas era muito mais comum não terem a menor ideia de que curso escolheriam.

Naturalmente, alguns se deixavam influenciar por promessas de prosperidade financeira e uma frágil garantia de emprego via concursos públicos.

Eu sou egresso de uma família humilde onde a formação superior refletia mais ou menos as estatísticas do IBGE, tendo muitos tios obtido canudo com francas dificuldades de todos os tipos. Mas todos foram exemplos que guiaram minhas escolhas.

A única certeza que tinha no ensino médio é que eu não iria cursar Direito. E não era pelo alto índice de concorrência às vagas. Mas já naquela época tinha a convicção de que atuar na área do Direito requer estômago pra encarar no cotidiano o que pode haver de pior no ser humano. Nem mesmo minha admiração pelo tema e mais filosofia e psicologia na época serviram de estímulo.

O ano 2019 completa 20 anos desde que saí do ensino médio pro curso de Letras – Língua e Literatura Portuguesa na Universidade de Brasília. Por motivos socioeconômicos e outras limitações eu não cheguei a concluir o curso e, por conseguinte, não materializei (ainda!) minha vontade de ser professor.

Mas esses vinte anos serviram pra confirmar minhas convicções sobre o curso de direito. De perto e de longe acompanhei o quanto é preciso ter estômago pra lidar com traços humanos escrotos que em alguns casos parecem ser estimulados ao máximo nas cadeiras do curso.

O que vemos hoje no Judiciário não foge dessa constatação. Mas é preciso ter um mínimo de sensibilidade humana e muita interpretação textual pra reconhecer isso.

Quando as pessoas compreenderem o que estou tentando dizer, os cursos de Direito serão a segunda maior prioridade das pessoas que querem de verdade mudar o mundo, logo depois das carreiras de docência.

Enquanto o Direito for dominado por mauricinhos e patricinhas, por gente de moral volátil, de ambições individualistas, não haverá Justiça para todos, mas apenas pr’aqueles que puderem comprá-la…

Não estou aqui generalizando. Apenas apontando a parte que me incomoda pessoalmente. Há sim pessoas honradas exercendo o Direito seja na advocacia seja julgando. Entretanto, é fato notório e sabido que estamos longe de um equilíbrio saudável à Democracia plena e justa.

Se há alguma esperança de mudarmos nossa história, ela começa na Educação e passa invariavelmente pela Política na qual o conhecimento do Direito é ferramenta básica e condição sine qua non.

Publicado por

Michael Lourant

Pai, profissional de TI, estudante universitário, curioso inveterado e músico nas poucas horas vagas.

Que tal um comentário seu?

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.