O Brazil da Copa de 2014 e a Telefonia [Móvel] de 1950*

A telefonia móvel se tornou item de primeira necessidade no país, tanto para o uso pessoal, quanto para o desenvolvimento do setor público e privado. No início do ano a ONU publicou um relatório sobre o uso das Tecnologias de Informação e Comunicação, e, não era segredo pra ninguém, o Brasil apareceu como o país em que o custo deste serviço é o mais caro entre os países em desenvolvimento.

A gente paga caro e o mais legal, é que ninguém sabe quais as exigências a ANATEL faz para que as nossas “queridas e amadas” operadoras de telefonia, tal como são desconhecidas da população as medidas promovidas pela agência para garantir a melhoria contínua dos serviços, as sanções que já foram aplicadas em razão do descumprimento dos termos dos contratos de concessão e dos serviços além de abusos cometidos contra o direito do consumidor.

Resultado do cenário acima é que as operadoras prestam serviços com preços extorsivos, qualidade que de tão ruim torna quase nula a prestação do mesmo, não dispõem de mecanismos eficazes de solução de problemas técnicos dos mais simples aos mais complexos, profissionais das linhas de atendimento mal capacitados e a ANATEL, concebida para garantir que as empresas concessionárias prestem serviços de ponta pra população, porta-se como um enorme cabide de empregos e instrumento de articulação política fechando os olhos diante desse cenário caótico e vergonhoso em que se encontra o sistema de telecomunicações no Brasil.

O país da Copa de 2014 vivendo a derrota de 1950 na Saúde, Infraestrutura, Segurança, Tecnologia e Educação.

Portanto, ANATEL, rogai por nós.

Cartinha ao Sr. Governador do DF

Agnelo NOT SO HAPPY
Agnelo Queiroz

Querido governador lindo,

Eu sei que sua agenda de compromissos sociais tem atrapalhado bastante o cumprimento do cronograma de governo prometido durante as eleições. Eu também entendo que conseguir adiar uma CPI sobre grampos deve ter tomado muito do seu precioso tempo.

Portanto quando o senhor conseguir ficar mais atuante em seu governo eu gostaria de pedir pro senhor não esquecer de retomar o cronograma de governo e cumprir as promessas que o senhor fez durante as eleições.

Eu votei no senhor, bem como alguns poucos lúcidos conhecidos meus, e acho de verdade que você é capaz de fazer um governo melhor do que os anteriores. Pelo menos quero continuar crendo nisso, porque gosto de acreditar nas pessoas de bem. Gosto de verdade e é exatamente por isso que eu vou dar esses toques p’ro senhor:

  • Evite andar menos de carro pelas estradas do DF! Use seus outros meios de transporte, tipo helicóptero, iatezinho e tal. As estradas estão horríveis e os carros estão estragando em cada buraco que mal dá pra acreditar que aqui é a Capital Federal.
  • Tente fazer um esforço para matricular seus filhos nas escolas particulares. Essa greve pode acabar frustando os planos para suas férias de fim de ano, é sério.
  • Evite também vir ao trabalho de manhã nos horários de pico, pois o trânsito está bem centralizado. Todo mundo vai trabalhar praticamente no mesmo lugar, o trânsito não está fluindo muito e não há mais tantas vagas nos estacionamentos públicos.
  • Tente pegar uma carona ou utilize o transporte público quando tiver que chegar mais cedo ao trabalho. E se for de baú (nome carinhoso que se refere à idade dos ônibus) saia cedo pra não correr o risco de chegar atrasado devido à manutenção dos ônibus. É muito comum eles quebrarem por aí.

Enfim governador. Eu vou continuar esperando pelo senhor. Não esqueça de dar um toque quando o senhor puder retornar às suas atividades normais. A gente vai gostar de ver cessarem aquelas piadas de mau gosto justificáveis que fazem comparando o senhor àqueles outros moços que estiveram no seu lugar.

Queria mesmo que o senhor tentasse observar alguns pontos que eu mencionei aqui pois assim o senhor acaba ajudando a gente também.

Ah, não se esqueça de se agasalhar bem pois o inverno tá chegando aê e o senhor deve ter notado que o sistema público de saúde anda com francas dificuldades em atender a demanda da população. Eu sei que o senhor não iria recorrer ao HB-DF, mas os hospitais particulares andam com umas práticas meio esquisitas também.

Obrigado.

🙂

Ass: Todos nós que acreditamos que as coisas por aqui podem mudar.

PS.: Sem querer pedir muito, se puder incentivar sua equipe a trabalhar mais também pode ser que isso tire algum peso dos seus ombros.

Discernimento em Ampolas

AmpolasDesde que comecei a ter alguma compreensão de como a vida funciona eu passei a admirar um traço humano por demais bacana: a inteligência, sobretudo quando ela se manifesta por meio do discernimento.

O tal discernimento atua como uma espécie de filtro que, no limiar da nossa individualidade, nos permite agir mais primitivamente ou mais racionalmente na proporção do desenvolvimento deste traço em nós.

Em algumas linhas de pensamento diz-se ainda que o discernimento nos permite agir mais de acordo com os desígnios Divinos em nossa vida.

Ao longo do meu desenvolvimento como pessoa adulta aprendi a valorizar a real necessidade de aprimorar esse traço e felizmente essa incessante busca tem me tornado capaz de administrar situações em que o meu eu primitivo cometeria deslizes que me trariam muito arrependimento.

Não que eu não os tenha cometido, mas sem discernimento os meus deslizes também não me serviriam de aprendizado nenhum.

O que se vê mais notoriamente é que as inúmeras mazelas que nossa geração enfrenta, desde a vida pessoal/familiar até a vida social mais ampla atuam por vezes de modo a desligar essa característica tão fundamental.

Por mais absurdo que possa parecer o título do Post It Na Testa de hoje ele reflete um anseio utópico de que se descubra uma forma de sintetizar o discernimento pra que ele seja administrado em ampolas como a Benzetacil.

Eu prefiro comparar com a Benzetacil porque ela está entre as injeções menos ‘amadas’, mas quando administrada elimina a infecção em poucas horas.

A maior vantagem das ampolas, além da cura quase instantânea, é que tal qual a Benzetacil ia dar pra prender o paciente entre as pernas e aplicar na força bruta como minha amada [super] avó Iracema fazia quando eu era moleque e esperneava com medo da injeção.

Obrigado, vó! Te devo minha vida!

A alienação como bandeira

Em conversa de boteco surgiu uma questão que passei a considerar fundamental na busca por uma vida menos ordinária.
A alienação de nossa sociedade hiperconectada diante das dificuldades de se tomar decisões e enfrentar barreiras rumo a um desenvolvimento efetivo da humanidade parece ser a peste negra da vez.
Isso aflige quem pode ainda ter alguma fé e alguma vontade de participar da mudanças que o mundo tem que sofrer uma vez que, contra essa “nova” peste negra, um bom discurso e a maior boa vontade podem não ser a solução definitiva.
Preocupe-se com o seu papel nas mudanças que você acredita serem necessárias. Não basta esperar que o façam por você.