Respeitáveis Compatriotas, Votem Comigo no 3º! OU “Férias pro discurso de ódio”

Respeitáveis compatriotas,

Queria não ser forçado pelo temor de tempos ainda mais obscuros a escrever isso.

Infelizmente em 2018 não temos candidatos que são capazes de salvarnos de nós mesmos e biblicamente “salvar” o país de uma derrocada ainda pior. Não tivemos em 1989, 1994, 1998, 2002, 2006, 2010, em 2014 e capaz que nos próximos 50 anos também não teremos.

E isto é um fato, não uma opinião pessoal eivada de ideologias ou leitura de VEJA!

Eleitor Brasileiro por Andre DahmerBy @andredahmer

Pelo simples fato de que nossas escolas e Universidades, nossas câmaras legistativas municipais e estaduais NUNCA, JAMAIS FORMARAM MILAGREIROS E TAMPOUCO CIENTISTAS POLÍTICOS CAPAZES DE APLACAR O DESEJO INFINDÁVEL DE LOCUPLETAÇÃO PESSOAL DO BRASILEIRO.

Dito isto, queria convidá-los a uma reflexão pragmática: nestas eleições (e nas seguintes), precisamos perseguir candidaturas comprometidas com a solução de problemas cujos reflexos ultrapassam gerações, e cuja solução transcende às casas legistativas e os curtos mandatos dos pouquíssimos brasileiros realmente dispostos a fazer a diferença sob a bandeira do altruismo humanitário.

Aceitemos que este perfil raro tem que ser construído ao longo dos anos e que isso precisa começar em algum momento da nossa história.

O cenário exposto pelas pesquisas recentes indica que, numa análise sóbria e desapaixonada, a única candidatura que se aproxima das necessidades apontadas ali e com reais chances de NÃO AFUNDAR O PAÍS NUMA PERIGOSA CRISE CIVIL, CULTURAL, ECONÔMICA entre outras é o 3º colocado das pesquisas.

Você pode não gostar do Ciro Gomes por ter acreditado em décadas de difamações contra ele.

MAS NÃO SE TRATA DE VOCÊ! Se trata de mais de 200 milhões de brasileiros, a maioria dos quais está tão fodido que nem vão pensar duas vezes em votar pela própria sobrevivência ante as claras ameaças que um certo candidato oferece com suas propostas vazias e odiosas.

É por isso que o segundo colocado avançou tanto e favorece um cenário já visto em 2014!

Enquanto cortava o cabelo hoje o outro barbeiro da loja disse que “desde Jesus Cristo, quando o povo tem que decidir eles preferem salvar o ladrão!” Nem preciso dizer que se tratava de um eleitor do Jair temendo uma vitória do candidato do PT, cogitando apoiar uma candidatura que “retire do povo o poder de fazer merda” (SIC).

Pensem com algum senso de responsabilidade e #VotaComigo no #Ciro12 e vamos construir juntos entre 2019 e 2022 condições pra que o debate político no Brasil saia da 5ª série fundamental e avance gradativamente pra que tornemos o Brasil um país mais hospitaleiro, inclusivo, socialmente responsável, ambientalmente sustentável, economicamente forte e viável…

Vota comigo pra dar umas longas férias pro protagonismo perigoso dos discursos de ódio que ganharam terreno e pode enfiar o país em uma escuridão de ideias.

Aos amantes do PT, vem comigo! Votem no 3º!

Aos votantes Em Branco ou Nulo, vem comigo! Votem no 3º!

4 anos são uma eternidade pra quem vive em condições extremas enquanto exercemos nossas paixões nas urnas…

Se você leu até aqui, obrigado e desculpa se não fui claro!

__

Michael Lourant — sentindo-se apreensivo a 6 dias da 13ª eleição majoritária desde a redemocratização da República Federativa do Brasil.

A ofensa à dignidade do outro como tática pro sucesso pessoal

Minha experiência recente de morar em condomínio tem me servido de excelente aprendizado sobre o ser humano e toda sua curiosa diversidade moral e ética.

Inevitável traçar um paralelo com a cena política contemporânea onde se pode observar, com um olhar mais atento, quem são, como agem e o que pretendem os atores desse teatrinho de fezes e lodo.

Não creio ser o tal complexo de vira-lata a constatação de que brasileiro é um bicho moralmente ogro, ligando pra nada ou quase nada enquanto tenta se sobressair pra ficar uma Gillette™ por cima dos outros e contar vantagem.

Serve de consolo que não é exclusividade nossa, embora o tamanho da população favoreça a percepção, mesmo o mais desatento entre nós.

Dito isto, um dado em particular tem me chamado a atenção nos últimos anos.

As campanhas de desqualificação dos “adversários” que as pessoas fazem (e as que compram o discurso) quando tem interesse em algo são um claro exemplo de que perdeu-se quase completamente o senso de respeito à dignidade humana, garantia constitucional.

Quem ofende a dignidade das pessoas publicamente parece não ter noção dos reflexos disso, em especial a manada de pessoas que embarcam cegamente nessa postura, sem qualquer noção de contexto, de contraditório, elevando exponencialmente a dimensão do estrago.

Aqui vale a máxima: se não pode contribuir positivamente, não fode mais ainda, ok?

Vamos nos fazer a gentileza de estar mais atentos a estas coisas pra não sermos corresponsáveis por histórias trágicas que podem decorrer dessas campanhas de ofensa à dignidade.

Chêro!