A ofensa à dignidade do outro como tática pro sucesso pessoal

Minha experiência recente de morar em condomínio tem me servido de excelente aprendizado sobre o ser humano e toda sua curiosa diversidade moral e ética.

Inevitável traçar um paralelo com a cena política contemporânea onde se pode observar, com um olhar mais atento, quem são, como agem e o que pretendem os atores desse teatrinho de fezes e lodo.

Não creio ser o tal complexo de vira-lata a constatação de que brasileiro é um bicho moralmente ogro, ligando pra nada ou quase nada enquanto tenta se sobressair pra ficar uma Gillette™ por cima dos outros e contar vantagem.

Serve de consolo que não é exclusividade nossa, embora o tamanho da população favoreça a percepção, mesmo o mais desatento entre nós.

Dito isto, um dado em particular tem me chamado a atenção nos últimos anos.

As campanhas de desqualificação dos “adversários” que as pessoas fazem (e as que compram o discurso) quando tem interesse em algo são um claro exemplo de que perdeu-se quase completamente o senso de respeito à dignidade humana, garantia constitucional.

Quem ofende a dignidade das pessoas publicamente parece não ter noção dos reflexos disso, em especial a manada de pessoas que embarcam cegamente nessa postura, sem qualquer noção de contexto, de contraditório, elevando exponencialmente a dimensão do estrago.

Aqui vale a máxima: se não pode contribuir positivamente, não fode mais ainda, ok?

Vamos nos fazer a gentileza de estar mais atentos a estas coisas pra não sermos corresponsáveis por histórias trágicas que podem decorrer dessas campanhas de ofensa à dignidade.

Chêro!