Férias, pra quê te quero!?

Ao som de Lily Allen – Smile (Acoustic)

Após cerca de dois anos e meio trabalhando num ritmo intenso o suficiente para abalar as estruturas de alguns institutos sociais(*) em que eu estive engajado, ao iniciar o mês de março sem ter que levantar cedo para pegar trânsito e mais um dia de jornada dura, está reticente na minha cabeça a pergunta título.

Não sei da resposta ainda tendo em vista não ter viagem planejada, não ter o meu verdinho à disposição para passeios, entre outras coisas. Mas é certo que tenho metas pessoais a serem cumpridas e que uma vez alcançadas, estarei dez passos à frente de mim mesmo. E acreditem, isso é um p… ganho.

O último ano foi sofrido. Nem vou comentar o quanto, mas basta comentar que já houve uns momentos de prantos por causa de alguns desses “dodóis”. Penso que não posso deixar de dar suporte afetivo aos meus pois sinto agora o quanto isso faz diferença no ímpeto de se reerguer (ou a falta dele).

Neste ano a idéia é retomar o poder das rédeas desse potro indomável que eu tenho sido nos últimos anos e seguir rumo ao sucesso que desejo e necessito. Por mim, minha família e meus amigos…

Por hora, isso tudo foi um pequeno desabafo, pouco expressivo, mas que para mim servirá de reflexão enquanto eu estiver estudando.

Java e SQL2005, aí vou eu!

Bom mês de Março…

Um comentário sobre “Garçon, por obséquio, um saco de pão pra eu enfiar minha cara”

Olá, gente de bem…

Muito tempo sem escrever (adivinhem porquê!) mas cá estou eu trazendo o comentário que fiz no Blog da DonaFabis (ai ai meu coração que se aguente!). Infelizmente não tenho como trazer o texto na íntegra, mas basta saberem que trata-se de um pequeno incidente ocorrido quando esta debulhava o álbum de fotos de uma Amiga.

Ao deparar-se com a ausência de sua foto no álbum intitulado “>>>AMIGOS<<<” a mesma foi de súbito tomada por um sentimento nada legal (etc. etc…). A ausência naquele álbum foi logo esclarecida quando encontrou-se lembrada num outro que a colocava num patamar superior das relações afetivas…

Daí comento o que segue:

Trabalhando no ramo de TI já há algum tempo, fiquei mais horas com os olhos diante do micro que dentro das pálpebras, pude acompanhar desde seu início a revolução que o Orkut representa nas relações humanas. Primeiro por viabilizar reencontros inimagináveis em outras ferramentas de interação na Web. Depois, de modo assustador, por promover desencontros também impensáveis…

Essa revolução, que vem ocorrendo em paralelo com outras tantas que só de lembrar assustam os mais conservadores ou temerosos tradicionalistas, tem sim causado muito mais estardalhaço na vida do que podem suportar os “menos resolvidos” com questões como individualidade, privacidade, fidelidade, dentre outras também polêmicas.

Sobre o tema do Post umas pessoas empenharam-se em criar uma comunidade de que faço parte num ato de protesto: “O Orkut por vezes me fode” ou coisa parecida.

É impressionante ver como somos afetados por nossas opiniões e relatos. Há algum tempo atrás eu mesmo me vi sendo forçado a mudar minha forma de tratar amigos(as) no Orkut [nada diferente do que fazia pessoalmente] pelo fato de que isso abalava as opiniões sobre a “exclusividade” dos meus sentimentos.

Aqui temos um caso de final feliz em que tudo se esclarece sem novela. Mas não são comuns estes casos. O mais comum é a opção pelo “Orkuticídio” em detrimento da liberdade de expressão.

Já cogitei algumas vezes ato trágico expresso no neologismo acima, mas também num ato de protesto rebati as acusações e permaneci. A partir daí, como consequência inevitável, minha apatia participativa no Orkut está há “milênios luz” do que eu sou pessoalmente.

Será que isso é bom ou ruim? Será que tenho mesmo dupla personalidade? Oh God! Help me!

Quanto á ao amor [tratado naquele Post]… bem… isto é tema pra outro comentário… talvez mais longo que este…